Problemas com a Catequese Bom Pastor [e com Montessori]



Apresento, abaixo, um vídeo do Prof. Felipe Nery, muito bom, sobre os problemas da Catequese Bom Pastor. 

Nele, o professor explica a origem do método utilizado nesta catequese, que nada mais é que montessoriana, e de onde vem as ideias de sua pedagogia de Montessori? As ideias da pedagogia montessoriana vêm de Rousseau, o pai da revolução francesa. Então o problema está nos princípios: "ela se baseia em filósofos que tem uma visão equivocada de ser humano, de educação e de finalidade da educação".

Ele também aborda a questão da padronização do ensino da fé, que é o que se dá na Catequese Bom Pastor. Tal ensino não pode ser padronizado, deve sim ser personalizado, pois os seres humanos são diferentes.

Não é que não exista nada de bom na prática montessoriana, é que o método dela é problemático. Foi o que compreendi ao assistir a palestra do professor. Abaixo deixo trechos que selecionei, e o vídeo.

Trechos:

"'A ideia de que é possível educar e transformar os seres humanos unicamente manipulando os dados sensoriais (...) e possa deixar a natureza agir o mais livremente possível, e assim a criança será livre no seu desenvolvimento'. Uma das ideias de Montessori, que é a mesma ideia de Rousseau. Não parece haver muito problema nisso, mas o problema daquilo que se chama de autonomia, liberdade, auto-educação em Montessori e nesses filósofos [é que] são completamente contrários aos próprios conceitos clássicos e filosóficos do que é verdadeiramente liberdade, de como exercê-la, de como educar a liberdade."

"O que fundamenta Montessori é a ação, o pragmatismo, aquela ideia de John Dewey (...) de pedagogia crítica, tem essa coisa de aprender fazendo".

"Finalidade da educação: naquele tipo de educação antiga a finalidade era levar as pessoas à busca da sabedoria, à contemplação da verdade, enfim, àquilo que há de mais alto, ao fim último do homem, sua vida em Deus, com Deus. Montessori tem uma outra finalidade, sua pedagogia [tem] como finalidade a paz, educação para a paz (...) o que Montessori entende por paz é diferente do conceito tomista de paz, que é tranquilidade na ordem. A ordem que vai gerar a paz como um efeito. Só que Montessori está buscando como finalidade e não como um efeito. Então se vê um problema conceitual."

"A criança deve ser tratada por um catequista muito bem preparado, como dizia São Pio X em sua Encíclica Acerbo Nimis (...) uma grande encíclica dirigida ao ensino do catecismo."

"A estrutura montessoriana é muito contra aquele papel que os antigos chamavam da memória. Para os antigos a memória é o primeiro grau para se alcançar a verdade. (...) A memória para Montessori é uma coisa arcaica".

"Ela [a criança] dispersou porque o catequista não emana virtude, e como sua vida não emana virtude, ele não tem autoridade, porque a autoridade tem por efeito, na pessoa que ouve, a atenção, que a gente vai externamente chamar de disciplina."

No conceito Montessoriano há um problema quanto ao papel da liberdade:

"Dom Fulton Sheen (...) no livro "Filhos e Pais" vai falar na liberdade como um direito físico e como direito moral. O direito físico é aquele que diz 'eu faço o que eu quero', e quando isso é levado a cabo, porque se busca que isso seja prazeroso para a criança, vai se chegar na escravidão. Por que? Porque a liberdade não pode estar dissociada da ordem moral, porque a liberdade para ser liberdade leva ao desenvolvimento pleno da pessoa para que esta chegue ao autodomínio. Quem é livre? Quem tem autodomínio. Livre não é aquele que faz o que quer, livre é quem faz aquilo que deve fazer. Ele escolhe entre todas as coisas boas aquilo que leva a Deus, aquilo que é melhor. Mas Montessori não vê isso.  Então se vê claramente um equivoco no pensamento de Montessori. Ela é pedagogia critica, ela vai desconstruir a educação."

"A autoridade é um problema expresso na pedagogia montessoriana. Para estas pessoas a autoridade é autoritarismo, e não a expressão de uma qualidade moral, de uma virtude. Para eles [a autoridade] gera um complexo de inferioridade. (...) Então o que você faz [com a criança] é um pequeno deus, você vai gerando um egoísta."

"O mesmo problema que se vê na educação de hoje, se vê nesta catequese Bom Pastor: 'A criança não tem que memorizar? Ah não, ela tem que ter prazer para chegar ao conhecimento'. Quem disse isso? Em qual livro de filosofia ou teologia séria de formação religiosa de uma criança, se encontra esse tipo de fundamento? Porque a ideia de fundo [de Montessori] é que a gente não pode impor, ou seja, [eles têm] uma visão caricata daquele que transmite a fé."

"Na pedagogia montessoriana, o esforço não é muito bem quisto, porque é 'expressão de frustração'. Mas o fato é que a gente precisa se esforçar muito, todos os dias. A catequese só termina quando a gente morre."

"Todos os [pais] santos liam livros sobre a vida de santos para seus filhos, todos os dias. Você quer que ela [a criança] tenha fervor eucarístico? Então invista em bons livros,  não em figurinhas"

"As verdades de fé que a Igreja orienta para a catequese: existência de Deus, Encarnação, Redenção, Ressurreição, Prêmio Eterno, Castigo Eterno, Os Mandamentos, e que a criança seja preparada para se confessar."

"Frase de Montessori idêntica ao pensamento de Rousseau: 'Importa deixar a natureza agir, e assim a criança será livre no seu desenvolvimento'."

"O objetivo de Montessori é educar para a paz, e educar para a paz é finalidade? ou seja, a causa final para ela é a paz? A paz é um efeito da ordem, que é efeito de outras virtudes, enfim, a paz é subordinada à justiça"

"A liberdade só é verdadeiramente liberdade quando há o conceito de virtude. Ela tem que estar baseada na ordem moral. A liberdade que está baseada num direito físico não é liberdade, e o que você tem dentro da Catequese Bom Pastor é justamente isso, é um direito físico, não é um direito moral, são coisas distintas. O que você vê parece liberdade: fazer o que quer parece liberdade, mas não tem nada que ver com isso. Liberdade é algo muito mais profundo. (...) Montessori não estrutura como direito moral, mas como direito físico, e na Catequese Bom Pastor é exatamente assim. Quando você não faz a criança entender o tempo, o esforço, que é necessário ter disciplina, [quando a criança] não sabe esperar, se ela não está aprendendo a esperar, você está educando um hedonista. e ao educar um hedonista o que significa isso: ele não sabe esperar, e quem não sabe esperar não sabe aproveitar as coisas mais profundas que foram estruturadas por um trabalho com esforço. Educação é esforço. Liberdade como virtude profundamente enraizada no conceito teológico tomista não tem nada que ver com Maria Montessori e com a Catequese Bom Pastor"

"A prática dela [Montessori] mostra que o conceito de liberdade dela não é o conceito de liberdade que havia na Antiguidade, não é. Não é o conceito de liberdade que havia nos Jesuítas, não é o de tantos outros santos."

Assista:


Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas